Mauricio Fratea


(PT) Mauricio Fratea começou a andar de skate como muitos, perto da sua casa localizada na periferia de São Paulo – SP (Pirituba, Piqueri, Freguesia do Ó). Ele fez parte da primeira geração da extinta Prestige Skatepark e foi local do Vale do Anhangabaú desde a inauguração da praça. Em 2007, resolveu viver o sonho americano mudando-se para a Califórnia, onde conheceu sua esposa Leslie.

Hoje, Mauricio é proprietário da Subspace Skateshop, a única loja somente de skate de Costa Mesa – CA, tem dois filhos, é vegano e está livre de todos os vícios adquiridos ao longo de uma vida moldada na rua. Mesmo com todas estas mudanças, Mauricio Fratea continua sendo um dos skatistas mais ‘cores’ que conheço e suas ideias continuam refletindo uma das melhores fases do skate no Brasil: os anos 90.

(EN) Mauricio Fratea started skateboarding like many others, around his house located in the suburbs of São Paulo – SP (Pirituba, Piqueri, Freguesia do Ó). He is part of the first generation of the extinct Prestige Skatepark and was a local at Vale do Anhagabaú in Downtown São Paulo since the opening, in 2007 he decided to live the american dream and move to California, where he met his wife Leslie.

Nowadays, Mauricio is the owner of Subspace Skateshop, the only core skate shop in Costa Mesa – CA, He has two children, is a vegan and free from all the addictions acquired throughout his life shaped in the streets. Even with all those changes, Mauricio Fratea is still one of the most core skaters that I know and his ideas still reflecting in one of the best times of skateboarding in Brazil: The 90’s.

Interview by Cesar Rodrigues.

Mauricio-Fratea-portrait-by-Mark-Oblow-OYEPortrait by Mark Oblow

(PT) Vamos começar com a sua ida para os EUA… Sua esposa é de New Jersey, como vocês acabaram mudando para Costa Mesa?

Na real, eu conheci minha esposa em Huntington Beach através do meu amigo Vina em meados de 2007. Em 2008, a gente casou e três meses depois da lua de mel descobrimos que ela estava grávida do meu primeiro filho. Eu trabalhava em dois empregos diferentes e minha esposa também tinha dois empregos. Bem nessa época, a economia do país começou a abalar e eu perdi meus empregos, minha esposa também. Esse foi um período muito difícil não só para nós, mas para todos os trabalhadores de baixa renda. Então decidimos ir para New Jersey, para perto da família da minha esposa. Moramos um ano e meio em Jersey, nosso filho nasceu e decidimos voltar para a Califórnia.

Você abriu a loja logo depois de chegar ou demorou um tempo para abrir?

Demorei três anos para abrir a loja.

(EN) Let’s begin with you going to the USA… Your wife is from New Jersey, how did you end up moving to Costa Mesa?

Actually, I met my wife in Huntington Beach, through my friend Vina in the mid 2007. In 2008, we got married and three months after the honeymoon we found out that she was pregnant with our first child. I worked two different jobs and my wife also had two jobs. Right around that time, the economy started to shake and I lost my jobs, and also my wife lost hers too. That was a very hard time not just for us, but for all low income workers. So we decided to go to New Jersey, close to my wife’s family. We lived in Jesey for a year and a half, our child was born and then we decided to go back to California.

Did you open the store right after you got there or did it take a while to open?

It took me three years to open the shop.

Mauricio-Fratea-Subspace-Skateshop-OYEMauricio Fratea at his Office

(PT) Porque abrir uma loja de skate?

O nascimento da loja foi um processo natural. Pra te falar a verdade, nunca tive o sonho de ter uma loja de skate, tudo aconteceu conforme as condições que a vida foi me dando. Claro que meu amor pelo skate é imenso. Me doía o coração nos finais de semanas, quando meus amigos estavam andando de skate e eu trabalhando em algo que não tinha nada relacionado ao skate. Após uma conversa que tive com meus amigos Adelmo Jr. e Rodrigo Petersen, eu decidi abrir a loja em 2012.

Quais os desafios de ter uma loja como a Subspace? Há quanto tempo a loja existe?

A Subspace fez quatro anos em março e os desafios são inúmeros, principalmente o financeiro pelo fato que a indústria do skate está indo por um caminho corporativo e as marcas e lojas feitas por skatistas estão perdendo o controle do mercado. Não é fácil para um peixe pequeno viver num mar cheio de tubarões. A chama que mantém a Subspace viva é o amor pelo skate.

Qual o papel da Subspace no mercado e na sua comunidade?

O papel principal da Subspace é representar o skate de rua, servir a cena local com eventos, premieres e material de skate de marcas que os donos são peças fundamentais para a história da nossa arte. 90% das marcas que trabalhamos são “skater owned and operated” (marcas criadas e operacionalizadas por skatistas)!

(EN) Why open a skate shop?

The birth of the shop was a natural process. To tell you the truth, I never had the dream of having a skate shop, it all happened according to the conditions that life presented to me. Of course my love for skateboarding is huge. I was heartbroken when my friends where outside skating on the weekends and I was working on something that had nothing to do with skateboarding. After a conversation with my friends Adelmo Jr. and Rodrigo Petersen, I decided to open the shop in 2012.

What are the challenges of having a shop like Subspace? How old is the shop?

Subspace turned 4 years last March and the challenges are numerous, especially the financial aspect given the fact that the skateboarding industry is going to a corporative path and the Brands and stores run by skateboarders are loosing control over the market. It’s not easy for a small fish to live in a sea full of sharks. The flame that keeps Subspace alive is the love for skateboarding.

What’s the role of Subspace in the market and in its community?

The main role of Subspace is to represent street skating, serve the local scene with events, premieres and to sell brands whose owners are fundamental pieces to the history of our art. 90% of the brands that we work with are “skater owned and operated”!

Mauricio-Fratea-by-Thiago-Santos-lifestyle-OYEPhotography by Thiago Santos

(PT) Quais as marcas que você se orgulha de ter na sua loja?

Sempre fui apreciador do skate com identidade própria. O seu estilo de skate é o reflexo das circunstâncias que você vive sua vida, ou seja, as marcas que tenho orgulho em trabalhar são as marcas com identidade, que não copiam o que a outra marca está fazendo ou que fazem produtos só porque esse certo produto está vendendo e tem uma boa aceitação no mercado. Marcas com forte personalidade como a Fucking Awesome, Polar Skate Co., Magenta, Boulevard, Plural e Quasi são as minhas favoritas.

Você curte fazer eventos na sua loja. Qual a importância dos eventos para o seu negócio?

Além da divulgação da loja, a importância de nossos eventos é unir a cena local do skate e deixá-la cada vez mais forte – a gente patrocina três skatistas locais. Muitas crianças começam a andar de skate depois de ter visto uma demo. E, claro, a diversão, o motivo principal que todos nós começamos a andar de skate!

(EN) Which brands are you proud of having in your shop?

I always have appreciated skateboarding with an identity. Your style is the reflex of the circumstances you encountered throughout  your life, given that, the brands I’m proud to work with are the brands with identity, that don’t copy what the other brand is doing or that make products just because a certain product is selling and has good market acceptance. Brands with strong personality like Fucking Awesome, Polar Skate Co., Magenta, Boulevard, Plural and Quasi are my favorites.

You like to host events in your store. What’s the importance of events to your business?

Aside from promoting the store, the importance of our events is to unite the local skateboard scene and make it stronger and stronger – we sponsor three local riders. Many kids started skating after being at a demo. And, of course, the fun, the main reason we all started skating!

Mauricio-Fratea-by-Thiago-Santos-noseblunt-OYEPhotography by Thiago Santos

(PT) Costa Mesa fica 40 minutos de LA. Você vai sempre andar em Los Angeles? Como é normalmente uma sessão em LA?

Geralmente no domingo, que a loja está fechada, eu tento dar um rolê em Los Angeles. Aciono o Binho (Fave-LA) ou o Gerdal (Rodrigo Petersen) e “bora pra rua”. Não gosto muito de ficar dirigindo de um pico para outro, então minhas sessões favoritas são estacionar o carro e sair dando impulso pelas ruas do centro de LA, trombando por tudo que encontro pela frente, sem ter nenhum pico ou manobra em mente.

Quando você começou a se interessar por andar em piscinas e porque?

Em 87… Quando comecei a andar de skate, o skatista não tinha esse rótulo de “street skater” ou “vert skater”, blah blah blah, nós andávamos em tudo. Mas, infelizmente, no Brasil não tínhamos piscina pra andar. Me lembro de assistir os vídeos e ver as partes do Eric Dressen, Natas (Kaupas), Gonz (Mark Gonzales), Tom Knox e Neil Blender andando em tudo e pensava comigo: “Um dia vou andar nessas piscinas da Califórnia.” Esses caras tem uma influência muito forte no meu skate até hoje. Sem falar que as piscinas são as transições das ruas.

(EN) Costa Mesa is only 40 minutes far from LA. Do you always go skating in Los Angeles? Usually how is a session in LA?

Usually on Sunday, when the store is closed, I try to get a ride to Los Angeles. I call Binho (Fave-LA) or Gerdal (Rodrigo Petersen) and we ‘hit the streets’. I don’t really like to drive from one spot to the other, so my favorite sessions are without my car and pushing through the streets of downtown LA, crossing everything I run into, without having a spot or a trick in mind.

When did you start to have interest in riding pools and why?

In ’87… When I started skating, a skateboarder didn’t have any label of “street skater” or “vert rider”, blah blah blah, we try to skated everything. But, unfortunately, in Brazil we didn’t have a real pool to ride. I remember watching videos from Eric Dressen, Natas (Kaupas), Gonz (Mark Gonzales), Tom Knox and Neil Blender’s parts riding everything and thinking to myself: “One day I’ll ride these pools in California.” These dudes have a very strong influence in my skating. Not to mention that the pools are the transitions of the streets.

Mauricio-Fratea-by-Ricardo-Napoli-pool-OYEPool | Photography by Ricardo Napoli

(PT) Você surfa também. Já surfava no Brasil? Qual a importância do surf na sua vida?

Minha mãe me deu minha primeira prancha de surf quando eu tinha 8 anos e comecei a andar de skate quando tinha 10. O surf é um meio pra ter contato com o Planeta Terra.

Você morou em LA nos anos 90 com Digo Menezes, Gean Nacarato, e outros, ainda antes de ir morar em NJ. Qual a diferença do skate de LA daquela época se comparado com o de hoje?

Sim. Em 1996 morei em Torrance com o Gian Naccarato, Ruda Lopes, Digo Menezes e Fabricio da Costa. E depois voltei em 99. Ter presenciado de perto e vivenciado a época de ouro do skate em Los Angeles é algo que viverá dentro de mim para sempre. Os anos 90 para o skate foi uma era de transformação, onde criávamos nosso próprio mundo, sem precisar de influência externa. Não existia skatistas assinando contratos de milhões de dólares com empresas corporativas. O número de praticantes era muito menor e não existia ‘skate stops’ nas bordas, nem internet, ou seja, Los Angeles era um verdadeiro sonho. Hoje, tudo acontece muito rápido e é difícil pra gente associar tanta informação. Um dia surge um pico novo e no outro dia já era. Os arquitetos hoje constroem os lugares já pensando em como fazer para os skatistas não andarem no local – tempos modernos. O que me motiva hoje é essa nova geração de skatistas buscando as raízes do skate do fim dos anos 80 e toda década de 90, adaptando a esse mundo moderno.

(EN) You also  surf. Did you surf in Brazil? What’s the importance of surfing in your life?

My mother gave me my first surfboard when I was 8 years old and I started skating when I was 10. Surfing is a way of connecting to Planet Earth.

You lived in LA in the 90’s with Digo Menezes, Gian Nacarato, and others, before you moved to NJ. What’s the difference of skating in LA back then compared to nowadays?

Yes. In 1996 I lived in Torrance with Gian Naccarato, Ruda Lopes, Digo Menezes and Fabricio da Costa. Then I returned in ’99. Having closely witnessed and lived the golden era of skate in Los Angeles is something that will live inside of me forever. The 90’s for skating was an era of transformation, where we created our own world, without needing external influence. There weren’t skaters signing contracts of millions of dollars with corporate companies. The number of people practicing skateboarding was way smaller and there were no “skate stoppers” on the ledges, no internet, so Los Angeles was a real dream. Nowadays, everything happens really fast and it’s hard for us to associate with so much information. One day there’s a new spot and the next day it’s gone. Today the architects build the places thinking how to make it un-skatable, an anti-skate project – modern times. What motivates me today is this new generation of skaters searching the roots of the late 80’s and the whole 90’s skating, adapting it to this modern world. “Straight Raw Street Skating.”

Mauricio-Fratea-BY-Ricardo-Napoli-Rock&Roll-OYEPool Sesh | Photography by Ricardo Napoli

(PT) Fora o skate e a loja, quais são suas prioridades?

Minha família. Meus filhos são a base sólida da estrutura da minha vida. Minha prioridade é educá-los e servir de exemplo a eles.

Fale um pouco sobre a sua opção de virar vegano. Todos na sua casa são veganos? Você induziu seus filhos a este hábito também?

Sou uma pessoal muito compulsiva, tudo que faço é em excesso e perco o controle de como parar. Passei por muitas situações difíceis na vida por causa dessa compulsão. Em 2004, me livrei de uma doença chamada toxoplasmose e perdi a visão do meu olho esquerdo. Há quase dois anos atrás tive umas dores fortes no intestino e infelizmente a medicina não conseguiu descobrir o que estava causando essas dores. Depois de muita pesquisa, lendo artigos de como se curar através dos alimentos que ingerimos, decidi adotar a dieta vegana e um ano depois minha mulher decidiu adotar também. Nunca induzi ninguém, principalmente meus filhos. Meus filhos não são veganos, porque acho que isso é uma escolha pessoal, cabe a eles escolherem o que eles querem comer.

(EN) Outside skating and the store, what are your priorities?

My family. My children are the solid base of my life’s structure. My priority is to educate them and serve as an example to them.

Talk a little bit about your choice to become a Vegan. Is everybody in your house Vegans? Did you introduce your children to this habit too?

I’m a very compulsive person, everything I do is in excess and I lose control of how to stop. I’ve been through very difficult situations in life because of this compulsion. In 2004, I got rid of a disease called toxoplasmosis and I lost my left eye sight. Two years ago I had strong pains in my intestine and unfortunately doctors couldn’t find out what was causing these pains. After a lot of research, reading articles on how to heal through the food we ingest, I decided to adopt a vegan diet and a year later my wife decided to adopt it too. I never induced anyone, specially my children. My children are not vegan, because I think this is a personal choice, it’s up to them to choose what they want to eat.

Mauricio-Fratea-by-Vinicius-Tinoco-Wallride-OYEPhotography by Vinicius Tinoco

(PT) Como a arte e a música influenciam a sua vida? Você pode nos dizer quais bandas você ouve? E quais os artistas que você gosta e porque?

A liberdade de expressão e seus movimentos revolucionários são elementos chaves para a evolução da humanidade. A música, a arte, os livros, filmes ou vídeos e fotografias são as peças básicas para que tudo isso aconteça. Sou bem eclético quando se fala de música ou arte em si, mas, como no skate, aprecio artistas com forte identidade própria. Na música, de Big L a David Bowie, de John Coltrane a Sonic Youth, passando pelo 70’s funk e reggae e voltando ao Velvet Underground. Na arte aprecio muito o trabalho do mestre Andy Warhol e seu amigo Jean Michel Basquiat. No “skate art”, Mark Gonzales, Neil Blender, Andy Jenkins e, é claro, meus amigos Sesper, Cabu, Don Pendleton e Mark Oblow. Escritores como William Burroughs, Jack Kerouac, Carlos Castaneda e Charles Bukowski ajudaram muito no meu crescimento como pessoa. Stanley Kubrick, Spike Jonze, Greg Hunt, Quentin Tarantino, Michel Gondry, Aaron Meza, Larry Clark, Harmony Korine e Josh Stewart são influencias fortes quando se trata de filme ou vídeo.

(EN) How do art and music influence your life? Can you tell us what bands you listen to? And what artists do you like and why?

Freedom of expression and it’s revolutionary movements are key elements to the evolution of humanity. Music, art, books, movies or videos and photography are basic pieces for all that to happen. I’m very eclectic when it comes to music or art itself, but, like in skateboarding, I do appreciate artists with strong self identity. In music, from Big L to David Bowie, from John Coltrane to Sonic Youth, going through 70’s funk and reggae and back to Velvet Underground. In art I do appreciate a lot the work of the master Andy Warhol and his best friend Jean Michel Basquiat, In “Skate Art”, Mark Gonzales, Neil Blender, Andy Jenkins, and, of course, my friends Sesper, Cabu, Don Pendleton and Mark Oblow. Writers like William Borroughs, Jack Kerouac, Carlos Castaneda and Charles Bukowski helped me a lot to grow as a person. Stanley Kubrick, Spike Jonze, Greg Hunt, Quentin Tarantino, Michel Gondry, Aaron Meza, Larry Clark, Harmony Korine and Josh Stewart are strong influences when it comes to film or video.

Mauricio-Fratea-GIF-OYEImage for GIF by Vinicius Tinoco

(PT) “Shout outs!?”

Minha esposa Leslie, meus filhos Ocean & Juniper, toda minha família no Brasil (obrigado por todo suporte) e meus amigos Adelmo Jr., Rodrigo Petersen, Sesper, Mark Oblow, Yongi-Ki, Nilton ‘Urina’, Alex Massotti, JP Souza, Yavor Ski, Carlos Ribeiro, Carlos Iqui, Thiago Lemos, Danny Montoya, Thiaguinho, Vina, Andre Genovesi, Torretta, Binho, Danilo Cerezine, Albion, Bocão, Billy Valdez, Nei, Cabu, TX, Smooth, Jesus Benitez, Plinio Higuti, Ruda Lopes, Kevin Strick, Ricardo Napoli, Teco, Gian Naccarato, Flavio Samelo… A todos os manos do ‘Brasa’ que não vejo faz uma cota: “Salve rapa!” E especialmente ao Cesar Rodrigues e a OYE pela oportunidade! “OPEN YOUR EYES FOR THE TRUTH KIDS! Peace!”

(EN) “Shout outs!?”

To my wife Leslie, my children Ocean & Juniper, all my family in Brazil (thanks you for all the support) and my friends Adelmo Jr., Rodrigo Petersen, Sesper, Mark Oblow, Yongi-Ki, Nilton ‘Urina’, Alex Massotti, JP Souza, Yavor Ski, Carlos Ribeiro, Carlos Iqui, Thiago Lemos, Danny Montoya, Thiaguinho, Vina, Andre Genovesi, Torretta, Binho, Danilo Cerezine, Albion, Bocão, Billy Valdez, Chris Franzen, Nei, Cabu, TX, Felipe Smootz, Jesus Benitez, Plinio Higuti, Ruda Lopes, Kevin Strick, Ricardo Napoli, Teco, Gian Naccarato, Flavio Samelo… All my homies from ‘Brasa’ that I haven’t seen in a long while: “Salve rapa!” And specially to Cesar Rodrigues and OYE for the opportunity! “OPEN YOUR EYES FOR THE TRUTH KIDS! Peace!”


___
___

RELATED ARTICLES